Você está em: Início / Notícias / Adema investiga mortandade de crustáceos na foz do rio São Francisco

Adema investiga mortandade de crustáceos na foz do rio São Francisco

14/10/2019

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) está investigando se a mortandade de crustáceos registrada no trecho da foz do rio São Francisco, em Brejo Grande, tem relação com o aparecimento das manchas de óleo no litoral sergipano.

De acordo com a Adema, uma equipe com técnicos se deslocou para a região nesta segunda-feira, 14, e retorna na quarta-feira, 16. Somente após análises é que a Adema poderá identificar a causa da mortandade dos crustáceos.

As manchas de óleo que atingem o litoral de Sergipe avançaram também para os rios. Foram afetados diversos locais, como a foz do rio São Francisco, rio Vaza Barris e Rio do Sal.

A Celse instalou, no último dia 10, 200 metros de barreiras absorventes (boias) no Rio Sergipe, na região da Barra dos Coqueiros. Já o Governo do Estado, por meio do Gabinete de Crise, instalou, no dia 12, mais de 75 metros de barreira de contenção no afluente do rio Vaza Barris.

A Agência Nacional de Águas (ANA) autorizou o aumento da vazão na hidrelétrica de Xingó (AL/SE), que atualmente é de aproximadamente 800 m³/s, para uma vazão de 1.300m³/s. A medida será tomada caso a análise ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) identifique risco de contaminação da água do rio pelo óleo na região próxima à foz.

Relembre

A primeira mancha de óleo encontrada em Sergipe foi na praia de Pirambu, no dia 24 de setembro. Desde então, o produto chegou em toda costa do Estado.

A Petrobras já informou que o óleo não é de sua propriedade e que também não é de produção brasileira. Laboratórios da Adema, Marinha e Universidade Federal de Sergipe (UFS) também estão fazendo a análise do óleo.

A União foi notificada de uma decisão da Justiça Federal e tem um prazo de 48h – contados a partir desta segunda – para intensificar medidas de proteção nos rios São Francisco, Japaratuba, Sergipe, Vaza-Barris e Real.

 

por Verlane Estácio


Veja também